fevereiro 23, 2024
PMFS - Carnaval - Micareta de Feira 2024

Casos de dengue aumentaram 26% em relação a janeiro de 2023

 Casos de dengue aumentaram 26% em relação a janeiro de 2023

Feira de Santana registrou 53 casos de dengue entre o primeiro dia do ano e essa segunda-feira (29). Desse total, sete apresentaram sinais de alarme e não foi registrado nenhum óbito. Os dados são da Secretaria Municipal de Saúde.

O aumento é de 26% em relação ao mês de janeiro do ano passado, quando foram contabilizados 42 casos da doença. Entretanto, os casos de alarme sofreram uma redução de 41,6%, pois nesse período de 2023 foram listados 12 casos com sinais de alarme e um óbito.

O prefeito Colbert Martins Filho, médico especializado em epidemiologia, alerta que diante do aumento de casos em todo país, há possibilidade de enfrentar mais um ano epidêmico. O gestor também pontua que as chuvas do final de semana aliadas às altas temperaturas podem ocasionar um surto de dengue.

“Os agentes estão nas ruas permanentemente, estamos buscando os focos e com o fumacê na rua, bombas costais. Estamos fazendo o máximo esforço, inclusive, estamos avaliando a possibilidade de reforçar o quadro dos agentes de endemias porque neste momento as dificuldades podem ser ainda maiores”, destacou.

Entre os locais com mais notificações na zona urbana estão os bairros Mangabeira (5), Papagaio(5) e Centro (4). Nos distritos, apenas Humildes registrou casos, foram cinco diagnósticos positivos.

Quando procurar a unidade de saúde?

Pessoas com febre e, ao menos, mais dois sintomas compatíveis com dengue, a exemplo de dor de cabeça, no corpo ou nas articulações, são consideradas suspeitas da doença. A recomendação da Vigilância Epidemiológica (VIEP) é que ao notar os sinais, o morador procure a unidade de saúde mais próxima para receber orientações.

Nos casos graves, em que nota-se uma piora da doença, apresentando dor na barriga intensa e contínua, vômitos persistentes, queda de pressão e sensação de desmaio, o paciente deve procurar as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) ou as policlínicas municipais.

Secom- Foto: Jorge Magalhães

Whatsapp
Olá
Olá, podemos ajudar?